29 de ago de 2009


Se você pegar um instrumento musical em frente a uma platéia, e fizer qualquer ruído sem compromisso com o processo, com qualquer harmonia ou andamento. Não importa qual a explicação que dê antes ou depois da performance, não será música.
Já nas artes plásticas...
Se você tiver uma bom discurso ou "conceito", não importa quão  frágil, enganoso ou descomprometido com a realização esteja seu trabalho, ele será Arte.
O Bigode do Belchior sumiu, o do Sarney não, só está emoldurando o riso canalha de um ladrão impune.
Somem artistas, proliferam-se baratas.
A ilustração: Ramires y Rodrigues - Gouache sobre papel

2 comentários:

Ninha disse...

Esse teu post me lembrou aquela deliciosa lenda do Renoir.Conta-se que o mestre, já sexagenário, foi procurado por um discípulo apressadinho, que observando Renoir fazer um quadro magnífico em pouco tempo, quis saber quanto tempo levaria pra conseguir o mesmo. Renoir, então, do alto de sua sabedoria diz: Levei minutos pra pintar este quadro, porém 60 anos para consegui-lo.
Beijinho no meu artista predileto.

Ramires disse...

Ninha, obrigado pelo comentário querido, as vezes eu me incomodo e acabo desabafando aqui. Não quer dizer que eu considere toda a a arte conceitual ruim, mas muita coisa fraca se esconde atras deste rótulo, muita gente quer ser Duchamp sem a consistência da proposta dele e viram uns copiadores montados em discursos herméticos. Beijão